quarta-feira, 11 de agosto de 2010

DOENÇA DE PARKINSON




-Um estudo publicado na revista Science, pelo investigador português Tiago Outeiro em junho de 2007, demonstrou que a doença de Parkinson está diretamente relacionada com o envelhecimento. Ele constatou que há uma estreita relação entre alguns genes que estão ligados ao envelhecimento e o aparecimento da doença. Descobriu também drogas que têm efeito protetor em modelos dessa doença ao interferirem nos mecanismos envolvidos no envelhecimento.
-A doença de Parkinson é a segunda doença neurodegenerativa mais comum em idosos, com prevalência estimada de 3,3% no Brasil. Alguns sintomas e sinais motores são característicos, como tremor de repouso, bradicinesia (lentidão de movimentos), rigidez e alterações do equilíbrio. Outros sintomas como psicose, transtornos cognitivos e depressão, não devem ser ignorados, já que levam a um comprometimento considerável da qualidade de vida do indivíduo.
-Neurônios designados dopaminérgicos, responsáveis pela fabricação da dopamina, emitem prolongamentos desde a região central do cérebro até os núcleos cinzentos centrais, que desempenham um importante papel no controle da motricidade, sendo a dopamina indispensável para o seu bom funcionamento. A deterioração progressiva desses neurônios dopaminérgicos provoca um déficit de dopamina no cérebro, acarretando uma disfunção dos núcleos cinzentos centrais, característica da doença de Parkinson. A dopamina, como foi dito, não interfere apenas na motricidade. Em menor grau, interfere no humor, na concentração intelectual e na motivação, caracterizando os sintomas não motores comuns nos doentes.

CURIOSIDADES



  • Um estudo desenvolvido na Universidade Emory, nos Estados Unidos, sugere que as pessoas que sofrem de mal de Parkinson apresentam deficiência de vitamina D. Foram analisados os níveis dessa vitamina em 100 pessoas com Parkinson, 100 com Alzheimer e 100 idosos saudáveis. Constatou-se que 55% dos pacientes com Parkinson, 41% dos pacientes com Alzheimer e 36% dos idosos saudáveis apresentavam níveis insuficientes de vitamina D. A principal fonte de absorção de tal vitamina é a luz do sol. Sabe-se, no entanto, que a habilidade de processar essa vitamina diminui com o envelhecimento, aumentando a vulnerabilidade dos idosos à deficiência. Não se sabe ainda, porém, se a deficiência da vitamina D é causa ou conseqüência da doença.
  • Segundo uma outra pesquisa realizada na Universidade de Harvard, Estados Unidos, os homens que praticam exercícios físicos intensos de forma regular na juventude tem menos chances de sofrerem de Parkinson, quando comparados àqueles que não as praticam. Mais de 48 mil homens e 77 mil mulheres foram acompanhados do ano de 1968 ao ano 2000, respondendo questionários que eram revisados de dois em dois anos. Eles respondiam sobre doenças existentes, atividades físicas realizadas e hábitos de vida. Pode-se constatar uma redução de 50% do risco de sofrer de Parkinson em homens praticantes de atividade física regular desde o início do estudo. As mulheres também apresentaram uma redução do risco, no entanto, não significativa estatisticamente.



  • Dados recentes também revelam que o uso do console Nintendo Wii pode ajudar no tratamento do mal de Parkinson. Segundo o professor Ben Hertz, diretor de terapia Ocupacional da School of Allied Health Sciences Department, após quatro semanas de estudos os pesquisadores do Medical College of Georgia (MCG) descobriram que partidas de tênis, boliche e boxe do título Wii Sports melhoravam a rigidez, movimento e habilidades motoras, além de aumentar os níveis de energia e diminuir a ocorrência de depressão em 20 pacientes acometidos do mal de Parkinson. Suspeita-se que a mistura de vídeo game e exercício aumente os níveis de dopamina, neurotransmissor escasso em pacientes com o mal de Parkinson.

Bibliografia:
http://www.scielo.br/pdf/rpc/v34n4/a03v34n4.pdf
http://gerovida.blog.br/2009/09/07/nintendo-wii-pode-auxiliar-no-tratamento-ao-mal-de-parkinson/
http://gerovida.blog.br/2008/08/11/atividade-fisica-protege-homens-contra-o-mal-de-parkinson/
http://gerovida.blog.br/2008/11/23/estudo-liga-deficiencia-de-vitamina-d-a-mal-de-parkinson/
http://www.parkinson.pt/?lop=conteudo&op=4c56ff4ce4aaf9573aa5dff913df997a&id=37693cfc748049e45d87b8c7d8b9aacd
http://diario.iol.pt/noticia.html?id=823990&div_id=4071

Nenhum comentário:

Postar um comentário